UOL Carros
 

25/09/2010

Autopost

Novo Blog da Redação traz nova Montana

O Blog da Redação de UOL Carros, lugar para conversas de bastidores, flagras e para boas discussões sobre tudo relacionado a carros entra em nova fase, para ficar mais ágil, bonito e ainda mais interessante para o amigo internauta.

Assim, anote aí o novo endereço (e salve nos Favoritos): http://uolcarros.blogosfera.uol.com.br


Clica lá
, que já tem conteúdo quente no ar (nova Montana, baseada no Agile) e mais coisa vindo por aí (em breve, tudo sobre a cobertura in loco do Salão de Paris).

Escrito por Eugênio Augusto Brito às 15h43


comunicar erro COMUNICAR ERRO

09/09/2010

O mundo roda

Fiat Bravo estará no Salão de São Paulo

Há pelo menos dois anos se fala que o Fiat Stilo sairá de linha para ser substituído pelo Bravo, um hatch médio mais afeito à gama atual da marca no Brasil em termos estilísticos. Exemplares do carro, que é fabricado na Itália, são flagrados em nossas ruas com certa frequência. Recentemente o leitor Antônio Chan fotografou um deles, numa via de Belo Horizonte (MG). Veja as fotos abaixo:

Antônio Chan/Especial para o UOL

Camuflagem de unidade de teste em Minas Gerais tenta fazer o
Bravo parecer um Punto, mas o alvo é mesmo o Stilo


Unidade possuía pneus de perfil baixo, esportivos, possivelmente
em rodas de aro 16 (na Itália, o Bravo oferece rodas que vão de 15" a 18")



Traseira parece mais bojuda e arredondada que a de Punto e
Stilo; marca italiana atribui isso a desenho inovador 


O adiamento do fim do Stilo e sua substituição pelo Bravo (não confundir com o hatch Brava, que a Fiat vendeu por aqui nos anos 1990) é intrigante, porque o Stilo europeu parou de ser produzido em 2007 -- já são três anos de sobrevida exclusivamente no Brasil. Os dois carros usam a mesma plataforma (também do Lancia Delta), o que facilitaria a produção do novo modelo em Betim (MG) por um custo relativamente baixo a qualquer tempo. Mas é claro que a Fiat esteve muito ocupada nos últimos três anos com as 10.998.776 mexidas no Palio/Siena, com o flop anunciado do Linea e, claro, com o desenvolvimento do Novo Uno (este sim, um bom motivo).

As vendas do Stilo no Brasil seguem no chão, na casa de 630 unidades/mês este ano, praticamente entregando o segmento dos hatches médios de bandeja para a concorrência. Tudo bem que o Punto "canibalizou" parte das vendas do Stilo, e a própria Fenabrave (sindicato das revendas) define os dois como médios -- assim, o Punto lidera o segmento, mas para nós essa definição é um equívoco.

Não custa lembrar que o Stilo foi o personagem de um megarrecall, determinado pela Justiça, devido a uma série de graves acidentes nos quais uma roda se soltou do eixo. Ou seja: já é mais do que hora de ele sair de cena -- e que nos perdoem os (muitos) aficionados pelo modelo.

O que sabemos sobre o Bravo em solo verde-amarelo é que ele, de fato, estará exposto ao público no Salão do Automóvel de São Paulo, marcado para outubro. Não existe data marcada para começarem suas vendas (tem gente que aposta que será logo depois do salão), mas é praticamente certo que sob o capô estarão os motores E-torq de 1,6 ou 1,8 litro produzidos pela Fiat no Brasil -- em vez do Fire, T-Jet ou Multiair, todos de 1,4 litro, que equipam a gama a gasolina do Bravo na Europa (há opções a diesel).

Fotos: Divulgação

Bravo tem visual discreto -- mas note como ele tem cara de sedã


Linhas ascendentes e traseira lembram o Punto

O Bravo é um pouquinho maior do que o Volkswagen Golf (padrão de hatch médio), com 4,33 metros de comprimento e bons 2,6 metros de entre-eixos (igual ao Stilo). Como você pode ver nas fotos do carro "descamuflado", acima, ele se parece um bocado com o Punto, mas é mais encorpado. Talvez seja um sinal de que o Punto, que mantém a mesma cara desde o lançamento em 2007, vá sofrer alguma operação plástica em 2011. E também de que o Bravo virá com um bom pacote de equipamentos, para justificar um preço inicial acima de R$ 50 mil e não incomodar as vendas do primo menor. A ver.

PS - A observação sobre a eventual confusão Brava/Bravo destina-se ao público em geral, e não a aficionados pelos modelos. O próprio leitor que fez o flagrante ofereceu as fotos como sendo "do Brava", obviamente pensando no hatch que já foi vendido no Brasil. Quanto às rodas: melhor do que consultar o site da Fiat no Reino Unido, antes de escrever o post eu consultei o da Fiat na Itália. De fato, o desenho dessa roda é encontrado no aro 18 do Bravo -- mas é exatamente o mesmo da roda aro 17 do Punto T-Jet no Brasil. Ou seja, o mesmo desenho pode estar em rodas de medidas diferentes. Admito que a referência à medida 16 foi no "olhômetro", mas é um palpite tão válido quanto dizer que é uma roda 17". E, no mesmo site italiano da Fiat, constata-se que o Bravo tem mesmo rodas de 15" a 18". Agradecemos o interesse de todos em comentar no blog e nos ajudar a melhorar nosso trabalho!

Escrito por Claudio de Souza às 18h44


comunicar erro COMUNICAR ERRO

06/09/2010

Dirigimos

Volvo C30 quer o sangue dos alemães

Um dia, em 2009, fui convidado para assistir a uma sessão especial do filme "Crepúsculo", antes de ele entrar oficialmente em cartaz. Eu, que nunca vi sequer um episódio de "Harry Potter" e/ou "O Senhor dos Anéis" (para falar a verdade, confundo os personagens de um com os do outro), não tinha nada melhor para fazer naquela noite e topei, mesmo tendo uma vaga noção de que se tratava de um filme para adolescentes -- coisa que eu deixei de ser faz certo tempo.

Eu supus corretamente que o target do filme era a garotada, mas não conhecia nada da trama. Meus dois primeiros comentários, sussurrados no cinema quase vazio, foram "Como pode um bigode tão fake no pai da mocinha?" e "Por que esses panacas são tão branquelos?" Como se vê, eu não sabia que se tratava de um filme de vampiros.

Mas meu terceiro comentário foi "MEU, olha isso, esse bobão dirige um C30!"

Pois é. A Volvo fez um forte esquema de marketing com os produtores da saga "Crepúsculo", cujo resultado para os espectadores (falo do primeiro filme, o único que eu vi) foi poder apreciar algumas piruetas e várias arrancadas do hatchback C30 com o tal "vampiro vegan" Edward Cullen ao volante. Apesar de a atriz Kristen Stewart ser uma graça, foi o carro da Volvo que valeu meu esforço de ir ao cinema. Abaixo, um comercial da marca sueca/do filme, que cita também o XC60:



Desde então UOL Carros vinha pedindo à Volvo do Brasil um exemplar do C30 para testarmos, aproveitando essa deixa dada pelo filme (coisa que, no jornalismo, chamamos de "gancho"). Curtimos uma loooonga fila de espera e, há duas semanas, finalmente nos sentamos ao volante do modelo -- um 2.0 manual, versão de entrada.

Em relação ao carro que se vê no filme, o C30 já passou por um facelift, no qual ganhou conjunto óptico maior e uma grade dianteira mais agressiva, com desenho em colmeia e o logotipo da Volvo bem destacado ao centro. O carro que guiamos, de ano-modelo 2010, já trazia essas mudanças. No entanto, unidades de ano-modelo 2011 começam a chegar às lojas da marca no Brasil, e com novas modificações. As rodas passaram de 16 a 17 polegadas -- mas, de resto, o pacote de equipamentos emagreceu: perdeu bússola (com display digital no retrovisor), piloto automático, sistema antiesmagamento nos vidros elétricos, descansa-braço traseiro e desligamento do airbag do passageiro. Como compensação, ganhou Bluetooth no sistema de som.

Fotos: Claudio de Souza/UOL

Grade e faróis ficaram mais agressivos após face-lift

A boa notícia é que isso se refletiu no preço do C30: segundo a tabela da Volvo, o carro 2011 custa R$ 85.330, contra os R$ 86.990 pedidos antes pelo 2010. Com câmbio automático de seis velocidades no lugar do mecânico de cinco, o preço vai a R$ 91.390.

Na mira desse hatchback estão os carros de entrada das três marcas alemãs que hoje dominam o chamado segmento premium: Audi A3 Sport (R$ 110.000), BMW 118 (R$ 91.300) e  Mercedes-Benz CLC (R$ 114.900) e B180 (R$ 96.900), apesar de esse último ser um monovolume.

E, levando em conta nossas experiências mais recentes com carros da trinca germânica, o C30 não lhes deve nada na maior parte dos itens relevantes: cabine refinada e com excelente acabamento, bom gosto nos materiais, posição de dirigir perfeita para a proposta (lembre-se, estamos num "baixinho invocado", de 1,44 metro de altura), design diferenciado (a traseira com predominância de vidro é polêmica, mas também é única), excelente dirigibilidade e conforto surpreendente -- eu esperava uma certa "bateção" a bordo, mas as suspensões (independentes atrás) me trataram com muita gentileza, sem perder a autoridade nas curvas mais acentuadas (o C30 possui controle de tração e estabilidade).


Escolha: traseira é "única" ou "polêmica"; porta-malas tem 223 litros

Para quem vê de fora, e principalmente por causa das duas portas, a expectativa é de que o C30 seja apertado por dentro. Mas não: o entre-eixos de 2,64 metros é aproveitado até o último milímetro; no banco traseiro (para duas pessoas), eu, com 1,71 metro de altura, me acomodei "atrás de mim mesmo" (ou seja, após deixar o banco do motorista na melhor posição para eu guiar) sem nenhum aperto.

O motor 2.0 de quatro cilindros e 16 válvulas nada mais é que o Duratec (somente a gasolina) usado no Ford Focus, irmão de plataforma do C30. Quem já dirigiu os dois hatches nota imediatamente que a relativa dureza da embreagem é a mesma. No entanto, a transmissão do C30 tem um escalonamento agressivo, com terceira e quarta marchas mais próximas entre si e a quinta ainda bastante vigorosa. A unidade de força produz 145 cavalos de potência e torque máximo de 18,9 kgfm, mas empurra 1.270 kg no C30, contra 1.340 kg do Focus hatch. A depender da gana com que se use o pedal direito, o C30 2.0 parece até possuir turbocompressor -- mas isso fica reservado à versão T5, que começa em R$ 111.390 e tem motor 2.5. O consumo médio de gasolina foi de 7,4 km/l (exatamente o previsto pela montadora!)

Em suma, o C30 2.0 é uma interessante opção a ser considerada para quem tenha espírito jovem (daí a associação com a saga "Crepúsculo") e deseje entrar no mundo premium por uma porta diferente daquela aberta pelo triunvirato alemão. O melhor argumento para isso é ele custar muito menos que os rivais. Só lhe falta uma dose extra de status -- algo que a marca Volvo não tem -- para saltar na jugular da concorrência e vender (muito) mais que as pífias 33 unidades emplacadas, em média, a cada mês deste ano.

Escrito por Claudio de Souza às 16h09


comunicar erro COMUNICAR ERRO

19/08/2010

Autopost

AirCross pousa no Rio para 'bombar' a Citroën

A Citroën sempre manteve uma postura mais discreta -- profil bas, diriam seus executivos -- em relação às suas expectativas no mercado nacional. Não vendia carros para frotas e jamais conspurcou sua gama no Brasil com algum motorzinho de 1 litro. Sua participação no mercado automotivo verde-amarelo em julho último bateu em 2,42%, na rabeira do top 10 das montadoras -- é a última colocada entre as newcomers dos anos 1990. "Ah, mas somos uma marca premium, não focamos em volume", é o que dirá qualquer citroënico que eu consulte sobre o tema. Très bien.

Mas isso foi apenas até a Citroën anunciar que a chegada do AirCross, sua resposta aventureira ao Volkswagen CrossFox e à toda a gama Adventure da Fiat (e até ao Ford EcoSport e ao futuro Renault Duster), deverá servir para elevar sua participação no mercado brasileiro em cerca de 1 ponto percentual, como anotou aqui o site Interpress Motor.

Divulgação

Citroën AirCross: o lançamento oficial é no dia 25

A conta é simples: a fatia da Citroën engordaria para a vizinhança dos 3,5%. Parece pouco, mas seria suficiente para colocá-la em sétimo lugar no ranking da Fenabrave, considerando as vendas de automóveis e comerciais leves. Deixaria para trás Hyundai, Toyota e a irmã Peugeot. Para tanto, o AirCross teria de emplacar 2.500 unidades mensais -- mais que o C4 hatch e o Pallas juntos. Menos que o C3, no entanto.

Mas, afinal, o que é o AirCross? É, basicamente, um C3 Picasso -- modelo europeu lançado no Salão de Paris de 2008 -- com as devidas alterações para ficar mais parrudo. É também, pelo que já foi antecipado em algumas fotos de divulgação, uma tentativa de impor um padrão mais elevado de acabamento no sub-segmento de aventureiros compactos. Certo, o kit de apetrechos inúteis xerocado dos Fiat Adventure -- bússola e dois inclinômetros -- é um detalhe besta, mas só o volante com base achatada e empunhadura metálica já redimiria o que promete ser um dos interiores mais bem-cuidados da gama Citroën no Brasil.

O motor é o tradicional 1.6 flexível da PSA, capaz de entregar 110 cavalos com gasolina e 113 cv com etanol no tanque. No quesito dimensões, destacam-se a altura de 1,70 metro e especialmente o comprimento, de 4,2 metros. Comparado com o CrossFox, são 7 centímetros a mais na vertical e 14 cm a mais na horizontal.

O resto (inclusive preços) você só vai saber quando acessar UOL Carros na próxima semana, entre os dias 25 e 26. O lançamento oficial do AirCross está marcado para o Rio de Janeiro, e lá estaremos para trazer todas as informações sobre o modelo -- e elogiar o que é bom e detonar o que não presta. Aguardem!

Escrito por Claudio de Souza às 20h00


comunicar erro COMUNICAR ERRO

17/08/2010

O mundo roda

New Fiesta, New EcoSport? Fusion híbrido!

Com a chegada do New Fiesta, ainda que apenas na versão sedã, surgem logo três perguntas: Haverá hatch? Haverá um novo EcoSport (o SUV compacto compartilha a plataforma com carro de passeio)? Serão fabricados no Brasil?


A Ford desconversa toda vez que o assunto é mencionado, mas deixou transparecer algumas indicações do futuro, durante algumas atividades paralelas ao lançamento da nova geração em Dearborn (EUA). Apesar de dizer que o momento é mais propício ao sedã do que ao hatch, que não teria ainda uma razão de existir, a Ford trará o Fiesta na carroceria dois-volumes para o Salão do Automóvel de São Paulo.

Foto: Eugênio Augusto Brito/UOL

Acima, exemplar americano da nova geração do Fiesta,
que abre caminho para fabricação no Brasil de um novo EcoSport


De toda forma, parece que o SUV tem chances mais imediatas de ganhar vida: o direitor de assuntos corporativos Rogelio Goldfarb afirma que os investimentos de R$ 4 bilhões na ampliação da capacidade produtiva das unidades brasileiras abrem "o potencial para um futuro próximo para novos e emocionantes produtos", ressaltando que "o novo EcoSport terá um caráter mundial, mas seguirá como um modelo compacto, sem roubar espaço do Kuga". O presidente para Brasil e América Latina Marcos de Oliveira completou o quadro ao afirmar que espera "ver o novo EcoSport alçando altos voos em breve".

Mais certa, porém, é a chegada da configuração híbrida do médio-grande Fusion, que também poderá ser vista no Salão de SP e pode chegar as lojas em seguida, visando o período final do ano. A solução adotada no modelo alia o motor V6 a combustão com uma unidade elétrica para entregar 191 cavalos de potência e atingir quase 18 km/l.

Foto: Divulgação

Fusion híbrido é mais potente e mais econômico, mas
também é mais caro que o Fusion V6 a combustão

Segundo Jorge Chear, diretor de marketing e vendas da Ford, falta apenas definir valores e público ideal para o modelo, este último fator principal para cravar a data de chegada e a viabilidade do projeto. Mais caro que o Fusion tradicional, o modelo híbrido poderia acabar disputando mercado com modelos muito mais luxuosos das alemãs Mercedes-Benz e BMW. Uma saída seria tentar parcerias com órgãos públicos, fazendo do Fusion híbrido um "carro oficial do bem".

E você, o que achou? Comente, opine!

 

Escrito por Eugênio Augusto Brito às 17h45


comunicar erro COMUNICAR ERRO

16/08/2010

O mundo roda

Cidade de SP cria Dia do Fusca só para ela

Donos de Fusca costumam ter uma ligação sentimental com seus veículos. Não raro, tratam o "besouro" como um membro da família, dispensando ao carro cuidados capazes de enciumar esposas e familiares.


 
Tamanha adoração motivou a prefeitura de Jacareí, no interior paulista, a criar o seu próprio Dia do Fusca, comemorado no terceiro domingo de agosto -- lembrando que já existe o Dia Mundial do Fusca, em 22 de junho.

A festa municipal da cidade paulista reuniu cerca de cem veículos, a maioria em perfeito estado de conservação. Além dos Fuscas, o evento também abriu espaço para outros carros clássicos da Volkswagen, como versões de Kombi, Brasília e Variant; além de alguns New Beetle, releitura que deve ganhar uma nova geração em breve.


 
O encontro foi realizado pelo Clube Amigos do Fusca, com apoio da Fundação Cultural de Jacarehy José Maria de Abreu. A exposição também comemorou os dez anos de criação do clube. Hoje, são mais de cem associados de várias cidades do Estado, que costumam se encontrar a cada três meses para falar sobre a paixão que têm em comum pelo carrinho da Volks.


 
Clubes criados para homenagear modelos antigos e específicos são comuns no Brasil. Entre os carros mais lembrados estão o Chevrolet Opala e os saudosos modelos da Vemag, que produziu no país veículos da alemã DKW, como o Belcar e a Vemaguet. Nenhum desses carros, porém, conta com um dia só para eles...
 
E você: existe algum automóvel que desperte uma paixão incontrolável? Conte para gente no espaço dos comentários!

 

Escrito por UOL Carros às 19h28


comunicar erro COMUNICAR ERRO

13/08/2010

Derrapagem

Freelander 2 e um dia de caça

Avaliar carros é mais do que apanhar a chave, apertar o cinto e sair a esmo. Carro na garagem, é feita uma reunião (de pauta) para definir qual o enfoque mais válido; paralelamente, há a escolha de possível locações para as fotos, sempre pensando em locais atraentes, sem muito trânsito (a não ser que a pedida seja enfrentá-lo) e respeitando as imposições da previsão do tempo. O objetivo é sempre ter material -- fotos e texto -- de boa qualidade. Ou seja: ter uma boa história para contar, (mesmo que nem tudo saia) como planejado.


Fotos: Murilo Góes/UOL

Nem falaremos nada sobre o Freelander limpinho...
CLIQUE E VEJA MAIS no álbum de fotos exclusivo


Land Rover Freelander 2 HSE (versão mais cara do SUV de entrada da marca, à venda por quase R$ 167 mil) na garagem, ficou definido que tentaríamos fugir do estigma "carrão que madame usa para ir buscar o filho na escola, fugir de enchente molhando os outros e fazer compras no fim da tarde". Todo mundo sabe que isso é o que ocorre, infelizmente, na vida real. O fotógrafo Murilo Góes avisou que não havia chovido, mas que talvez desse para encontrar "uma laminha" em lugares seletos. Ponto de partida perfeito: mostrar que o Freelander poderia ir além.

Está na ficha técnica do carro: comando eletrônico de torque, capacidade de imersão de 560 mm, bons ângulos de ataque e de saída... e o bom sistema de gerenciamento da tração 4x4 sob demanda aliado ao Terrain Response, que permite a seleção de programações específicas para determinadas condições de terreno. Só faltou mesmo bloqueio de diferencial e capacidade de se modificar a altura da suspensão, como em modelos mais caros da marca. Mas já são boas credenciais para encarar alguma aventura fora-de-estrada.

Tudo definido, hora de trabalhar. Na cidade, o Freelander já havia demonstrado sua "força" dando conforto de sobra dentro da cabine, como num sedã de alto luxo. Som premium e sistema de navegação acessíveis por meio da tela sensível ao toque -- e com um "plus a mais": quem vai atrás pode escutar programações paralelas, usando fones de ouvido, sem incomodar ou ser incomodado por quem vai à frente ou mesmo ao lado. O porta-malas, com mais de 750 litros, tem espaço de sobra para compras e transportes do cotidiano. Rebatendo os bancos, dá até para fazer uma mudança pequena. O carro facilita, e muito, a vida do condutor, embora seja enorme e, sob trânsito pesado, tenha a desenvoltura de um elefante.


Nada de enchente, o objetivo era desafiar o adverso de verdade

Mas o objetivo era mostrar como o carro se comportaria fora do asfalto, e o rumo escolhido foi a vila histórica de Paranapiacaba, com algumas trilhas de Araçariguama na sequência, ambas na Grande São Paulo. E tudo correu muito bem. Mesmo sendo o menor da turma Land Rover,o Freelander mostrou "profissionalismo". A tração sob demanda e seus programas para terrenos escorregadios, lama, sulcos e pedras e o assistente de descida em declives (DSC) "tateavam" o solo e nos permitiam vencer diferentes obstáculos, alguns escolhidos por puro exibicionismo (e vontade de fazer boas fotos), é preciso confessar. O potente motor, com seus 233 cv, demonstrou que seu vigor é tão (ou mais) útil com o "pé na lama" quanto em acelerações e retomadas na rodovia -- fala alto aí o bom torque, de 32 kgfm logo às 3.200 rpm.


No fim, a queda. Mas não adianta negar: você ficou com inveja

Já no final do dia, porém, um rádio passado pelo Murilo informou que uma das manobras teria de ser repetida, porque a máquina esgotara a memória do cartão e a foto não havia sido feita. Após limpar o suor do rosto e engolir em seco (o trecho havia sido o mais difícil, mas assim mesmo deixado para trás), concordei. Mas nem houve tempo para agir ou reagir: com uma escorregadela, o carro parou sobre um lamaçal formado por um curso d'água. Não adiantou girar o seletor, ao mesmo tempo em que o bom senso mandou não pisar muito forte sob risco de ficar ainda mais preso. "Cadê o bloqueio de diferencial?" Momentos depois a pergunta já era "Onde está a pá?" ou "Por quê repetir o (maldito) movimento?". O jeito foi sair em busca de socorro, sem sinal de celular e a alguns quilômetros da vila mais próxima.



A ajuda -- registrada na foto acima -- veio no cair da noite, com o trator guiado por Boi e seu amigo vestido com agasalho e camisa do Corinthians (aqui vai um "salve" aos dois!), dotado do providencial cabo de aço. "Se chegou até aqui, este carro é mesmo valente", assegurou Boi, contando ter atolado uma caminhonete "traçada" (4x4) no mesmo ponto havia dois dias. Em seguida, ele convidou: "Quando tiver outro carro destes, ou mais preparado, pode voltar". Convite que será aceito -- assim que possível.

 

Escrito por Eugênio Augusto Brito às 20h53


comunicar erro COMUNICAR ERRO

Na garagem

O que você acha do Logan?

 
 

O que você acha do Logan?

UOL Carros publicou, nesta Sexta 13, suas impressões sobre o sedã Renault Logan. Após mais de duas semanas a bordo de duas versões do compacto, entregamos ao internauta um belo álbum de fotos de Murilo Góes e a análise do modelo.

Foto: Murilo Góes/UOL

CLIQUE NA IMAGEM e veja o álbum e nossas impressões


Falamos sobre as vendas do Logan (que vem perdendo para todos os rivais), mas também de suas características, e apontamos o que nos agradou e do que não gostamos no carro. Mas faltou o mais importante: a opinião do consumidor.

Quer dizer o que acha do Renault Logan, o que te agrada no sedã ou o que você odeia? Entre no campo de comentários abaixo e deixe sua opinião.

Escrito por UOL Carros às 16h08


comunicar erro COMUNICAR ERRO

10/08/2010

Dirigimos

Passat CC é o mais divertido Volkswagen

Gol, Voyage, Saveiro, Fox (CrossFox), SpaceFox, Polo, New Beetle, Bora, Eos, Jetta (e Variant), Tiguan, Touareg, Amarok, Passat (e Variant)... pode listar e verificar. Nenhum dos outros modelos vendidos pela Volkswagen no Brasil é tão interessante quanto o cupê Passat CC. Sob todos os aspectos.

Experimente falar para o amigo ou para a namorada que você está de Passat e vai ver um sorriso amarelo estampar o rosto a sua frente, típico de quem está pronto a te chamar de "tiozão", mas não tem coragem. Sem problema: qualquer feição se transforma ao perceber que o Passat em questão não é o sedã grande ou sua perua, e sim o Comfort Coupé, que também tem quatro portas, mas é menos executivo e muito (muito) mais esportivo.

Fotos: Murilo Góes/UOL


No desempenho, não dá para confundir o CC com outro modelo
CLIQUE NA IMAGEM para ver mais imagens exclusivas


A diferença é tanta, que sendo produzido sobre a mesma plataforma dos outros Passat de sétima geração (e também do conversível Eos), o CC acaba tratado apenas pela sigla em diversos mercados, para não ter confusão. Afinal, ser um autêntico entortador de pescoços não é tarefa para qualquer um. Mas o que faz do CC um carro tão divertido?

Talvez o estilo tão aerodinâmico quanto uma bala: a frente é afilada, larga e baixa (fique atento a lombadas, valetas e entradas de garagem em geral); o V onde está instalada a grade frontal e o logo da fabricante se pronuncia; as caixas de roda são ressaltadas; a linha encorpada do ombro conduz seus olhos ascendentemente até a lanterna, que invade a lateral e determina, rapidamente, o fim da carroceria, espichado, mas sem formar um terceiro volume. O teto é tão baixo que quase continua a linha entre o para-brisa e a traseira... Enfim, são formas que causam surpresa mesmo quando preenchidas de cores sóbrias, como preto e prata.

Talvez o terreno em que compete: estamos falando de um modelo produzido pela Volks para encarar a concorrência premium alemã. O alvo, ainda em 2008, era o Mercedes-Benz CLS, pioneiro no "só cabem quatro pessoas, todas devidamente engravatadas"; hoje, temos também Audi A5 Sportback e teremos o A7, ambos desenvolvidos no "quintal", já que a marca das quatro argolas pertence ao grupo VW. Há ainda a previsão do BMW Gran Coupé. E até a presença de competidores de nível (leia preço) mais elevado, como o Porsche Panamera e Aston Martin Rapide (sendo este um inglês), mas aí a história é outra.

Talvez o ambiente interno, onde o plástico emborrachado escuro contrasta com o aço escovado e serve de pano de fundo para as dezenas de botões de controle e sua iluminação amarelo-avermelhada. O volante multifuncional com comandos para troca de marcha do CC é tão bem resolvido que inspirou os equipamentos utilizados amplamente pela marca (hoje, estão até no Gol I-Motion, veja só). Mas só dentro do CC tudo reluz quando banhado pela luz do sol que surge através do enorme teto panorâmico elétrico chamado de Skyview (um dos poucos opcionais, ao lado do ar digital Climatronic de duas zonas, do piloto automático adaptativo e da persiana elétrica para o vidro traseiro).


FICHA TÉCNICA DO PASSAT CC

LISTA DE EQUIPAMENTOS

Mas, para UOL Carros, o que define o alto grau de diversão do CC é o quanto ele pode acelerar sem perder a trajetória. Há alguns meses, pudemos testar o modelo por algumas voltas em Interlagos (aliás, o autódromo nomeia as rodas aro 18). Agora, percorremos rodovias do Estado de São Paulo e alguns lugares com pouco movimento na região metropolitana. Nas duas ocasiões a sensação foi a mesma: bastou pisar firme no pedal direito para levar o conjunto aos 250 km/h (controlados eletronicamente) na pista, ou cortornar curvas "civis" no limite permitido pela lei. Quase sem tempo para respirar, sem fazer escândalo, sem consumir muito (8 km/l na cidade, 10,5 km/l na estrada), nem desgarrar uma única vez. Culpa do motor V6 de 3,6 litros com injeção direta gasolina (FSI), 300 cv (a 6.600 rpm) e torque de 35,6 kgfm (de baixas 2.400 a 5.300 rpm); da transmissão de dupla embreagem (DSG) com seis marchas; dos freios com ABS, EBD e controle de estabilidade (ESP); e da tração integral permanente 4Motion, com controle eletrônico de deslizamento (ASR) e do bloqueio de diferencial (EDS).

Tudo tão perfeito, que nem lembramos da existência de airbags por toda a carroceria (frontais, laterais e de cortina). Nem do preço, em torno dos R$ 175 mil. Sabe como é, diversão da boa (ainda) custa caro. Gostou também? Não gostou? Opine!

Escrito por Eugênio Augusto Brito às 22h05


comunicar erro COMUNICAR ERRO

09/08/2010

Na garagem

Chinesa Chery quer o Brasil

Tornou-se rotineiro, nos últimos meses, falar da "invasão vermelha" no setor automotivo nacional, embora os modelos disponíveis até então pouco contribuam para isso: visual longe de ser atrativo e excesso de falhas são o padrão. Mas a Chery e, em breve, a JAC (que chegará através do grupo SHC, do empresário que trouxe a Citroën e trará a Aston Martin ao país) querem alterar este ponto-de-vista.


Fotos: Divulgação


O compacto S18 (acima) será atração da Chery no Salão de SP,
assim como o sedã A13; ambos chegam em 2011 com outros nomes




"Quando se falar em carro chinês, a partir de agora, vai ter de ser daqui para cima. Criamos outro patamar de qualidade e o cliente vai perceber isso", afirma o presidente da representação da Chery no Brasil, Luís F. Curi. A promessa do executivo é fazer a marca deslanchar com a chegada do compacto Face (veja a avaliação do modelo em UOL Carros), vender 10 mil unidades ainda este ano (6 mil só do Face) e trazer novos modelos já durante o Salão do Automóvel de São Paulo, que começa em outubro.

"Mostraremos o S18, compacto menor que o Face, e o sedã A13. Ambos estão cotados para chegar ainda em 2011, mas com outros nomes. E, mais tarde, podem ser fabricados aqui", diz Curi, que também garante a exposição da versão elétrica do S18 no evento paulista. O parceiro iCarros lista aqui outros modelos chineses que estarão presentes ao evento.

Ainda em 2011, devem chegar as primeiras versões com motor flex: o subcompacto QQ e o Face são os favoritos e devem elevar as vendas a 40 mil unidades. Quanto à fábrica, o executivo afirma estar em fase avançada de negociação, mas desconversa quando perguntado sobre a informação publicada pelo jornal "O Estado de S. Paulo" na última semana: planos de investimento já estariam definidos, mas com a marca chinesa assumindo toda a operação, sem qualquer participação do grupo comandado por Curi. De toda forma, a produção local elevaria as vendas a quase 200 mil unidades.

Foto: Murilo Góes/UOL

Face pode ter motorização flex (de 1,1 ou 1,3 litro) em meados de 2011
CLIQUE NA FOTO e veja a avaliação do modelo


E para quem contesta o pensamento citando o chamado "custo Brasil", Curi afirma que estudos encomendados pela Chery mostram: fabricar carros no Brasil seria vantajoso, apesar da mão-de-obra mais cara. O preço dos componentes cairia sem a sobretaxação paga por produtos e peças importados (com a "cascata" de impostos atual, o percentual beira os 45%) e isso fecharia a conta. "Não teria o mesmo patamar (de preço) que os chineses importados, mas seria mais vantajoso que o cobrado pela concorrência no país, e ainda teria custo de manutenção até 15% menor", calcula Curi.

O que você achou do Chery Face? E o que acha que os carros chineses podem fazer no Brasil? Opine!

Escrito por Eugênio Augusto Brito às 20h31


comunicar erro COMUNICAR ERRO

Na garagem

Audi esportivo adere ao branco

UOL Carros fala com o Brasil todo, mas é baseado em São Paulo. E, por aqui, branco é cor de taxi. E por ser cor de carro de praça, acaba marginalizado: é difícil ver, comprar, vender e... falar bem de carro "civil" com carroceria branca. Mesmo em outros pontos do país a coisa não é muito diferente, já que a cor é utilizada por apenas 10% dos exemplares vendidos no país.

Foto: Divulgação


Você chegaria mais rápido ao trabalho se o Audi TT White fosse taxi...

Mas muita gente concorda que o branco, em determinados tons e em certos modelos, cai muito bem. Assim, a cor ganha espaço em esportivos e/ou modelos de imagem (como já ocorre no exterior). Tanto que a Audi acaba de anunciar a chegada de uma série especial de seu cupê esportivo Audi TT, chamada de White, ao país.

Com lote limitado a 15 exemplares, o Audi TT branco tem visual sincronizado ao da versão RS, garantindo o perfil "malvado", também encontrado na edição TTS (o teste de UOL Carros, você revê aqui). A carroceria de alumínio pintada de branco tem detalhes contrastantes na cor preta: retrovisores externos, aerofólio traseiro e rodas aro 18.

O preço é alto como sempre, R$ 216.270, assim como a potência do motor 2.0 Turbo com injeção direta de gasolina, que chega aos 200 cv, cumpre o 0-100 km/h em pouco mais de 6 segundos e vai aos 240 km/h.

E você, o que acha de carros brancos? E de outras cores? E do domínio preto/prata no Brasil? Opine!

Escrito por UOL Carros às 12h33


comunicar erro COMUNICAR ERRO

05/08/2010

O mundo roda

Chevrolet Spark e a parafina

UOL Carros não tem nada (de novo: nada) de saudosista, mas temos de confessar que, às vezes, é mais fácil amar aos antigos. 

Fotos: Divulgação

CLIQUE NA IMAGEM para ver o álbum de fotos do Spark Woody


A culpa deste digamos "surto" é do Chevrolet Spark Woody, edição do compacto da GM que você vê na foto acima e que será mostrado ao público que for ao Salão de Paris, a partir de setembro. Ok, a roda diferente e o pneu com faixa branca são legais. Mas o que é este aplique de vinil imitando uma lateral de madeira?!?

A ideia foi homenagear às wood wagons das décadas de 1950 e 1960, que fizeram sucesso entre famílias "descoladas" (qual deveria ser o termo à época? "Mente aberta", "sem grilo"... ?) e, também, tribos de surfistas.

Quer dois exemplos? Um é o Chevrolet Fleetmaster 1948, no qual aliás o Spark Woody deve ter sido inspirado. Outro, mais próximo da proposta ainda é o modelo 1954 (segunda imagem abaixo) da Mercury, marca da Ford, também com rack para prancha. Ambos muito mais na vibe, certo?



Acima, o Chevrolet Fleetmaster 1948; abaixo, perua Mercury Monterey de 1954



Só para voltar ao futuro, o Spark é o mais recente compacto da Chevrolet/Daewoo, vendido por iniciais 9.500 euros na Europa e que deve chegar aos Estados Unidos no segundo semestre de 2011 e, mais tarde, ao Brasil, muito provavelmente na forma de inspiração para a nova família Onix da GM local, para substituir Celta e Prisma.

E já que a nostalgia surfista cinquentona pintou...

If everybody had an ocean
Across the U.S.A.
Then everybody'd be surfin'
Like californ-I-A
...
Yeah, everybody's gone surfin'
Surfin' U.S.A.

 

Escrito por Eugênio Augusto Brito às 20h15


comunicar erro COMUNICAR ERRO

02/08/2010

Na garagem

(Espiamos o) Hyundai ix35, mês e meio depois

Atualizado às 22h50

Ele chegou às lojas durante a Copa do Mundo, sem alarde, sem o som de qualquer vuvuzela para anunciá-lo, quase escondido. E, nas ruas, (ainda) praticamente inexiste. Mas tudo deve mudar a partir desta terça-feira (3), quando o Hyundai ix35, sucessor do Tucson no exterior (mas que por aqui já é vendido como um carro de nível superior), será oficialmente apresentado à imprensa especializada.


Fotos: Murilo Góes/UOL


Na imagem, 41 unidades do ix 35 à espera de motoristas
...
... para os cerca de 120 quilômetros de test-drive desta terça-feira




UOL Carros estará presente ao evento, em Florianópolis (SC), e contará de lá as principais informações e as primeiras impressões, bem como trará fotos exclusivas do SUV, cujo preço orbita os R$ 90 mil.

...

P.S. 1: Pois bem, o trecho acima foi escrito ainda em São Paulo, mas logo na chegada a Florianópolis (SC) encontramos algumas unidades do modelo prontas para o test-drive da terça-feira -- 41 carros para ser mais específico (alguns colegas jornalistas dizem que no total o evento contará com 45, portanto se você comprou um e ainda não o recebeu, contenha os ânimos).  E como algumas estavam até destrancadas, resolvemos adiantar alguns detalhes.

Sim, o modelo tem visual extremamente agressivo, mas fica a dúvida: ele pode cansar rápido? Só o tempo e os compradores dirão.

E, sim, ele tem excesso de plásticos duros em seu interior, como comentaram diversos leitores. É algo que não combina definitivamente com um carro de mais de R$ 90 mil, mas acaba sendo uma consequência direta da política da fabricante de mascarar um carro de um segmento como outro de nível superior (lembre-se, este deveria ser um "novo" Tucson, carro na faixa de R$ 60/70 mil).



Modelo realmente tem excesso de plásticos duros, mas espaço é bom...
... câmbio tem seis marchas e motor é um DOHC 2.0 VVT-i de 175 cv




Ainda assim, o carro tem amplo espaço interno (cinco pessoas ficam folgadas em seus bancos de couro), detalhes como botão Start/Stop para partida, e painel com iluminação azul.

Claro, sentimos falta da tela para o sistema de entretenimento, substituída por um tipo de rádio/CD. O ar-condicionado é digital, mas não temos ventilação para quem vai atrás, pelo menos não na unidade em que (sorrateiramente) entramos. Mais ou menos, é como se estivéssemos em um i30 anabolizado.

Quanto à motorização, fotografamos este bloco DOHC 16V, que segundo o site do fabricante é um 2.0 de 170 cv e 20 kgfm. Sites especializados, porém, apontam que ele tem 4 cavalos a menos... veremos o que diz a ficha técnica. Há ainda a opção de câmbio manual ou automático de seis marchas (não notamos, porém, opção de borboletas para trocas sequenciais). E, na versão topo da gama, motor 2.4 com tração 4WD.

O último flagra, porém, não foi registrado pelo fotógrafo Murilo Góes: é grande a presença de profissionais e executivos coreanos aqui em Florianópolis, sendo que boa parte deles passou a noite preparando a apresentação que será feita a jornalistas de todo o Brasil e também da América Latina.

Serão apontados o caráter agressivo do visual, a atração do público mais jovem, o nível de segurança e um certo conforto diferenciado. Um gráfico apontará de três a quatro modelos como rivais diretos, entre uma infinidade de SUVs com tração 4x2 ou integral. Alguns, os próprios leitores deste blog já definiram: Honda CR-V, Chevrolet Captiva, Volkswagen Tiguan e o meio-irmão Kia Sportage, que também mudará em breve. Vale lembrar que, pela Fenabrave, o ix35 já vende mais que o Tiguan: 703 contra 312 em julho, 862 contra 854 no ano.

Mas chega de espiar. Em algumas horas traremos informações oficiais, opiniões fundamentadas e fotos exclusivas do Hyundai ix35.

P.S. 2: Se ainda restam dúvidas e aflições ou se a ansiedade aumentou, siga desabafando no campo de comentários abaixo.

Escrito por Eugênio Augusto Brito às 04h41


comunicar erro COMUNICAR ERRO

O mundo roda

Sem essa de 'carro de mãe'...

 
  Os executivos das montadoras e os entendidos de mercado sustentam que isso é normal no processo de amadurecimento do mercado. O fato é que, na mesma semana em que foi dada a notícia da aposentadoria da minivan Renault Scénic, pioneira do segmento no Brasil, a Fiat apresentou a primeira reformulação de seu monovolume Idea, lançado em 2005.


Foto: Murilo Góes/UOL

CLIQUE e veja mais imagens do Fiat idea 2011


O novo modelo chega neste começo de mês às lojas do país com visual mais agressivo, embora mude quase nada por dentro, disposto a uma coisa: vender para públicos diferentes e, de alguma forma, ir além do estabelecido pelo rótulo de "carro de mãe", informal, mas amplamente conhecido no mercado (saiba mais sobre o Idea 2011 aqui).

O fato é que, aos poucos, o público começa a ficar mais exigente e as montadoras estão percebendo que -- monovolume ou não, carro de família, de frotista ou de motorista recém-habilitado -- modelo algum tende a ter sucesso sem ter alguma dose de inovação.

Em tempo: UOL Carros está produzindo uma reportagem sobre o que um bom carro de família deve ter e o que pode oferecer como diferencial. Dúvidas, sugestões, reclamações e comentários? Utilize o campo abaixo.

 

Escrito por Eugênio Augusto Brito às 04h27


comunicar erro COMUNICAR ERRO

21/07/2010

O mundo roda

Já tem pneu aro 30 no Brasil. Mas por quê?

Foto: Divulgação



Ao ver a foto acima, não seria anormal pensar nas palavras "absurdo", "monstruoso" ou, simplesmente, "gigante". Todos esses adjetivos são perfeitamente aplicáveis ao jogo de pneus de 30 polegadas que a Pirelli comercializa no Brasil pela primeira vez.

Os redondos, modelo Scorpion Zero, foram instalados em uma picape Dodge RAM, que já é grande por natureza. O processo, realizado numa loja de customização na cidade de São Paulo, demorou 60 dias. Para vestir os pneus, foi necessário importar as rodas aro 30. O jogo veio dos EUA.

Mas engana-se quem pensa que a instalação envolveu apenas a troca dos pneus antigos, aro 17, pelos novos. A picape teve seu chassi cortado em um metro e a suspensão foi redimensionada e rebaixada em 20 cm.

Segundo a Pirelli, o Scorpion Zero de 30 polegadas só foi possível de ser produzido em larga escala devido ao Sistema Robotizado Modular Integrado, método de produção que melhora o custo-benefício de produtos feitos em pequena quantidade.

Traduzindo o jargão e passando à prática perguntamos: há "custo-benefício" em pneus desse tamanho ou só "custo"? A empresa não revelou o preço, mas não é insensato imaginar que deve seguir o tamanho do pneu.

Ainda de acordo com a marca, o Scorpion Zero “oferece conforto em velocidades elevadas, baixo nível de ruído, dirigibilidade precisa e respostas rápidas em manobras”. Sendo assim, uma última dúvida: será que isso se aplica às esburacadas ruas brasileiras e a seu trânsito caótico?

Em meio a tantas perguntas, uma afirmação: trocaríamos de faixa assim que avistássemos esse monstro à frente. Mais do que atitude de preservação, uma questão de segurança. E você? Opine no espaço apropriado abaixo.

P.S.: segundo o internauta Vinícius, de Belo Horizonte (MG), o conjunto de rodas calçadas com pneus Pirelli Scorpion Zero 315/30-R30 vale aproximadamente R$ 65.000, sendo que cada pneu custaria R$ 8.400. Considerando que isso proceda, o perfil do comprador pode ser próximo ao dos adoradores do Hummer. Ou não? Siga opinando.

Escrito por UOL Carros às 18h47


comunicar erro COMUNICAR ERRO