UOL Carros
 

14/04/2010

Derrapagem

Chefão da Renault puxa orelhas no Brasil

O presidente e CEO do Grupo Renault-Nissan, Carlos Ghosn, é conhecido mundialmente por falar o que pensa, algo atípico no meio empresarial. E deu provas disso em discurso aos jornalistas que acompanhavam a apresentação do Logan 2011, na Bahia. Foram três puxões de orelha ao comentar o atual momento da indústria automotiva nacional, a atenção (não) dada a projetos elétricos no Brasil e o desempenho de suas próprias empresas no país:

Puxão nº 1:
Ghosn discordou da opinião apresentada horas antes pelo vice-presidente da Renault do Brasil, Christian Pouillaude, que anunciou estar satisfeito com aumento de 40% nas vendas da marca no país, retomada da quinta posição entre as montadoras e participação na casa dos 5%. O presidente global foi direto: "Não vejo razão para a Renault não ser a terceira ou quarta montadora no Brasil".

Foto: Divulgação


Ghosn, CEO da Renault-Nissan, disparou críticas em evento no Brasil

A briga com Fiat, GM e Volkswagen deveria ser direta e o desempenho semelhante ao registrado no resto do mundo, com participação na casa dos 20%, afirmou. Reconheceu, no entanto, que faltam produtos (carros) para isso. Mas prometeu mudanças e até falou da chegada do SUV Duster antes da hora.

Puxão nº 2: ao comentar o cenário atual, com a crise mundial ultrapassada e a volta da cobrança integral do IPI, Ghosn fez um paralelo entre a indústria e pacientes médicos. Afirmou que todas as empresas sofreram do que chamou de "falta de oxigenação" (restrição de crédito e falta de liquidez), mas apenas quem já tinha mau desempenho morreu durante a crise. E disse que, após uma queda esperada, o brasileiro voltará a procurar carros com receita definida: "Produtos do segmento popular, mas com qualidade comprovável, equipamento adequado e preço acessível". Ao que parece, no entanto, poucas montadoras concordam com esta máxima.

Puxão nº 3: ao falar sobre a relação carro elétrico e Brasil, Ghosn afirmou que fabricar um modelo com matriz elétrica é fácil e barato e que, apesar da escala atual (produção e procura reduzidas) forçar preços elevados, o país está perdendo o passo da história: "O Brasil pode até não aceitar e não acreditar no carro elétrico no começo [do desenvolvimento], mas haverá pressão e terá de aceitar quando os elétricos estiverem rodando nos Estados Unidos, Japão e Europa", afirmou.

A solução, segundo Ghosn, seria haver uma definição de incentivos por parte do governo (como já ocorre no Japão e nos EUA, com o Nissan Leaf, e na Europa, com modelos da Renault): "Incentivo não precisa ser um bônus em dinheiro no momento da compra, pode ser a diminuição de impostos", explicou, para ir além: "A carga tributária no Brasil é muito alta, seja o governo de direita ou de esquerda".

Ghosn, que fechou acordo com a Prefeitura de SP para uso de elétricos, estendeu o puxão de orelha aos interessados em manobras eleitoreiras nas eleições de outubro: "É fácil defender o uso de carro elétrico e muitos farão isso com a chegada das eleições, mas não precisamos que comprem alguns carros, precisamos de incentivos reais e de fonte oficial".

Escrito por Eugênio Augusto Brito às 19h00


comunicar erro COMUNICAR ERRO

12/04/2010

Autopost

Ford dá data para o novo Fiesta

A Ford confirmou para os dias 22 e 23 de abril, em Buenos Aires (Argentina), a apresentação do novo Ford Fiesta, segundo lançamento mais relevante da indústria nacional nestes primeiros meses do ano (o Projeto 327 da Fiat -- ou Novo Uno, como queiram -- chega em maio e mantém o status de mais importante).

Foto: Divulgação e Reprodução


Primeira imagem de divulgação
(acima) mostra que nosso Fiesta
remodelado terá olhar espichado, gradezinha junto ao logo azul e bocão,
exatamente como no modelo flagrado há um mês na Argentina
(abaixo)



O modelo recebeu um face-lift e passa a exibir a cara das imagens acima, sendo que a segunda mostra um flagrante publicado há cerca de um mês. Quem não gostou do visual -- um remix do compacto indiano Figo (já mostrado aqui) com o novo Fiesta europeu (aqui) e americano (veja aqui) -- terá de seguir esperando. Uma geração totalmente nova do Fiesta, alinhada ao padrão do hemisfério norte, ficou para o futuro, talvez em 2012 (sim, é muito triste).

Agora, quem torceu o nariz para o local do evento, pode ficar tranquilo: o Fiesta segue sendo fabricado em Camaçari, na Bahia, nas carrocerias hatch e sedã. A escolha da Argentina para apresentação, no entanto, mostra a importância do modelo para a estratégia latino-americana da Ford.

Fotos: AP e Murilo Góes/UOL


Indiano Figo
(acima) é compacto de 71 cv...
... enquanto Fiesta europeu segue à frente em tecnologia e conforto





Quer comentar? Utilize o espaço apropriado abaixo, seguindo as regras de civilidade.

Escrito por UOL Carros às 15h10


comunicar erro COMUNICAR ERRO

09/04/2010

Autopost

Qual o seu Gol preferido? Vote

Claro, estamos falando de carro. Lançado em 15 de maio de 1980, o hatch Volkswagen Gol passou por cinco evoluções, teve diversas versões e edições ao longo dos últimos 30 anos e tornou-se líder de vendas no Brasil, posição quem mantém há 23 anos (perdendo-a em poucas oportunidades, mas apenas no fechamento mensal, nunca no anual), passando de 6 milhões de unidades emplacadas.


Foto: Divulgação

O Volkswagen Gol nasceu assim, em 1980

Este ano, por razões comerciais, a Volkswagen optou por antecipar em um mês a festa de aniversário do modelo. No sábado, dia 10 de abril, a Golfest reunirá apreciadores, fanáticos e malucos por Gol no sambódromo do Anhembi, em São Paulo. A promessa é de exibição de modelos clássicos, modificados e preparados.

Mas o que UOL Carros quer saber é: Qual o seu Gol preferido? Vote no álbum-enquete (um voto por internauta) até o dia 19 de abril.

Escrito por Eugênio Augusto Brito às 14h53


comunicar erro COMUNICAR ERRO

08/04/2010

Na garagem

Novo Uno quase sem roupa

As fotos deste post, clicadas pelo mineiro Marlos Ney Vidal, flagram o "projeto 327" da Fiat, mais conhecido como Novo Uno, praticamente pedindo para ser lançado. São vários ângulos mostrando com generosidade -- apesar dos disfarces -- as formas e até mesmo o interior do compacto, cujo lançamento nacional acontece entre 4 e 6 de maio.

Fotos: Marlos Ney Vidal/Especial para o UOL


Foto acima: formas retilíneas fazem pensar que o Novo Uno tem a
ambição de ser uma espécie de 'carro design'...
Foto abaixo: interior
da versão Way mostra bancos com encosto de cabeça fixos




Para ver o álbum de fotos completo, clique aqui ou nas imagens acima.

Já se falou bastante sobre o carrinho, especialmente nesta reportagem -- todas as informações técnicas relevantes sobre o Novo Uno e suas quatro versões caíram na rede. Fica então o convite: apreciem as novas imagens, comentem no espaço adequado e aguardem a apresentação oficial. Que já não será, principalmente a partir de agora, tão surpreendente assim.

Escrito por UOL Carros às 20h54


comunicar erro COMUNICAR ERRO

06/04/2010

Autopost

Chegada do novo Uno já tem data

A Fiat marcou para o começo de maio o lançamento nacional do carro compacto oriundo do projeto 327, e que deve mesmo se chamar Novo Uno -- ou será Uno, de novo? Entre 4 e 6 de maio, UOL Carros acompanhará a apresentação do modelo, a ser feita na Bahia.

O curioso é que, a apenas um mês do lançamento e com mais ou menos 1 milhão de fotos do modelo disfarçado já publicadas na web (veja aqui, aqui, aqui e aqui), ainda assim a Fiat não abre o nome oficial do carro. O teaser enviado à imprensa, aliás, faz graça e avisa que ficaremos sem palavras ao ver o Uno pessoalmente:



Ou seja, o carro é tão legal que só conseguiremos nos referir a ele por meio de um quase-miguxês interjetivo.

Aguardem, então, o comecinho de maio. De nossa parte, prometemos escrever sobre o Uno em português bem claro. Flw???

Escrito por UOL Carros às 12h34


comunicar erro COMUNICAR ERRO

05/04/2010

Na garagem

Citroën AirCross é o novo anti-EcoSport

A Citroën divulgou nesta segunda-feira as primeiras imagens oficiais do AirCross (veja aqui o álbum de fotos), modelo que só chega às lojas em setembro. E porque a liberação do teaser neste momento, então? Para não perder espaço no atual momento do mercado brasileiro, superaquecido pelo recorde de vendas mensal e pela enxurrada de lançamentos.

E também para começar a delimitar terreno em um segmento que promete voltar a ficar disputado entre o final deste ano e o começo do próximo, o de SUV leves (os chamados jipinhos), cujo pioneiro, líder e figura a ser batida é o Ford EcoSport.

Foto: Divulgação

Citroën AirCross em sua primeira imagem: jipinho, sim; pseudo, não
CLIQUE NA IMAGEM E VEJA O ÁLBUM DE FOTOS


Isso porque a Hyundai deixa correr solta, e já há algum tempo, a informação de bastidores de que fabricará no Brasil o seu Tucson (o atual daqui, antigo da Europa, com carroceria "caixote", e não o novo ix35, que virá em breve como um degrau a mais antes do Santa Fe, como já dissemos aqui neste blog). E a Renault já mandou avisar a quem quiser ouvir que fará aqui o seu Duster, de tecnologia romena, até 2011. Por fim, há ainda a esperada nova geração do próprio EcoSport que pode aparecer até 2012.

De volta ao francês, então: o Citroën AirCross é a versão aventureira do monovolume C3 Picasso, que estreou na Europa há quase dois anos. Mas a Citroën do Brasil quer afugentar a ideia de que o AirCross esteja mais para Volkswagen CrossFox (um carro de passeio normal, só com visual aventureiro) do que para EcoSport (um projeto nascido como utilitário leve, mesmo que sem aptidões para encarar uma trilha mais pesada). Tanto é assim que o nome C3 não estará assinado em qualquer ponto da carroceiria, nem (muito provavelmente) do documento. E (também muito provavelmente) nem mesmo a versão "civil", que aparecerá mais tarde por aqui, utilizará o nome europeu. Assim, apenas o C3 original (de visual "bolinha") em sua versão XTR poderá ser tratado como pseudo-aventureiro na marca.

Fotos: Carta Z e Eugênio Augusto Brito/UOL

Acima, o Ford EcoSport, paradigma da classe...
... e abaixo o romeno Duster, que a Renault trará para aumentar a turma



A Citroën bate na tecla de que a concepção do modelo a ser vendido no Brasil é única e dará inveja aos Europeus. Enquanto o C3 Picasso concorre diretamente com o Kia Soul (que, por aqui, também se diz concorrente do EcoSport), o AirCross foi elaborado por um centro de desenvolvimento brasileiro com aval da matriz francesa e exibe visual mais robusto, maior altura de vão livre, suspensão diferenciada, grades frontais modificadas (o bocão inferior, a la Citroën C1, garante maior fluxo de ar para o motor, enquanto a superior evoca a nova identidade da marca, algo que ficou de fora do original, feito antes da renovação), pneus de uso misto (quase certo que seja o Scorpion ATR da Pirelli), estepe fixado na traseira do carro, com sustentação no para-choque (como no Fiat Idea Adventure e novo CrossFox), e um inovador rack de teto, por começar na base do para-brisa.

Não há maiores detalhes sobre a motorização, mas espera-se o uso de um bloco flex de 1,6 litros e 16 válvulas, com até 113 cv de potência associado a câmbio manual ou automático (o padrão, é o atual da marca, com cinco e quatro marchas, respectivamente). A tração é dianteira, apenas, já que a marca acredita que seria um investimento oneroso demais desenvolver um sistema de tração 4x4 a ser utilizado por apenas 6% dos compradores.

O foco do AirCross, aliás, é mesmo o consumidor urbano, assim como ocorre com EcoSport, Tucson... e também como toda a turma de pseudo-aventureiros. Pessoas que se valem do maior porte do veículo apenas para vencer os obstáculos do cotidiano das grandes cidades (do trânsito intenso aos buracos e valetas) ou para, no máximo, encarar uma ida ao sítio do vovô nos finais de semana. E, portanto, um diferencial do modelo, promete a Citroën, seria o conforto interno para os cinco ocupantes. Um diferencial, neste ponto, é o amplo para-brisa construído em três partes, formando uma bolha e permitindo a melhor iluminação da cabine.

A faixa de preços também não foi cravada, mas fala-se em algo entre R$ 55 mil e R$ 65 mil, na faixa de EcoSport e companhia, mas acima do piso pedido por CrossFox e semelhantes. A justificativa da Citroën é que o AirCross é realmente superior aos pseudo, na mesma faixa dos jipinhos e com um pacote "real" -- sem o truque de cobrar menos, mas oferecer um veículo "pelado" de fábrica.

Gostou do AirCross? Não gostou? Deixe sua opinião e diga também quem vai vencer a nova briga dos SUVs leves no Grupo de Discussão.

Escrito por UOL Carros às 18h56


comunicar erro COMUNICAR ERRO