Fotos: Murilo Góes/UOL

Nem falaremos nada sobre o Freelander limpinho...
CLIQUE E VEJA MAIS no álbum de fotos exclusivo


Land Rover Freelander 2 HSE (versão mais cara do SUV de entrada da marca, à venda por quase R$ 167 mil) na garagem, ficou definido que tentaríamos fugir do estigma "carrão que madame usa para ir buscar o filho na escola, fugir de enchente molhando os outros e fazer compras no fim da tarde". Todo mundo sabe que isso é o que ocorre, infelizmente, na vida real. O fotógrafo Murilo Góes avisou que não havia chovido, mas que talvez desse para encontrar "uma laminha" em lugares seletos. Ponto de partida perfeito: mostrar que o Freelander poderia ir além.

Está na ficha técnica do carro: comando eletrônico de torque, capacidade de imersão de 560 mm, bons ângulos de ataque e de saída... e o bom sistema de gerenciamento da tração 4x4 sob demanda aliado ao Terrain Response, que permite a seleção de programações específicas para determinadas condições de terreno. Só faltou mesmo bloqueio de diferencial e capacidade de se modificar a altura da suspensão, como em modelos mais caros da marca. Mas já são boas credenciais para encarar alguma aventura fora-de-estrada.

Tudo definido, hora de trabalhar. Na cidade, o Freelander já havia demonstrado sua "força" dando conforto de sobra dentro da cabine, como num sedã de alto luxo. Som premium e sistema de navegação acessíveis por meio da tela sensível ao toque -- e com um "plus a mais": quem vai atrás pode escutar programações paralelas, usando fones de ouvido, sem incomodar ou ser incomodado por quem vai à frente ou mesmo ao lado. O porta-malas, com mais de 750 litros, tem espaço de sobra para compras e transportes do cotidiano. Rebatendo os bancos, dá até para fazer uma mudança pequena. O carro facilita, e muito, a vida do condutor, embora seja enorme e, sob trânsito pesado, tenha a desenvoltura de um elefante.


Nada de enchente, o objetivo era desafiar o adverso de verdade

Mas o objetivo era mostrar como o carro se comportaria fora do asfalto, e o rumo escolhido foi a vila histórica de Paranapiacaba, com algumas trilhas de Araçariguama na sequência, ambas na Grande São Paulo. E tudo correu muito bem. Mesmo sendo o menor da turma Land Rover,o Freelander mostrou "profissionalismo". A tração sob demanda e seus programas para terrenos escorregadios, lama, sulcos e pedras e o assistente de descida em declives (DSC) "tateavam" o solo e nos permitiam vencer diferentes obstáculos, alguns escolhidos por puro exibicionismo (e vontade de fazer boas fotos), é preciso confessar. O potente motor, com seus 233 cv, demonstrou que seu vigor é tão (ou mais) útil com o "pé na lama" quanto em acelerações e retomadas na rodovia -- fala alto aí o bom torque, de 32 kgfm logo às 3.200 rpm.


No fim, a queda. Mas não adianta negar: você ficou com inveja

Já no final do dia, porém, um rádio passado pelo Murilo informou que uma das manobras teria de ser repetida, porque a máquina esgotara a memória do cartão e a foto não havia sido feita. Após limpar o suor do rosto e engolir em seco (o trecho havia sido o mais difícil, mas assim mesmo deixado para trás), concordei. Mas nem houve tempo para agir ou reagir: com uma escorregadela, o carro parou sobre um lamaçal formado por um curso d'água. Não adiantou girar o seletor, ao mesmo tempo em que o bom senso mandou não pisar muito forte sob risco de ficar ainda mais preso. "Cadê o bloqueio de diferencial?" Momentos depois a pergunta já era "Onde está a pá?" ou "Por quê repetir o (maldito) movimento?". O jeito foi sair em busca de socorro, sem sinal de celular e a alguns quilômetros da vila mais próxima.



A ajuda -- registrada na foto acima -- veio no cair da noite, com o trator guiado por Boi e seu amigo vestido com agasalho e camisa do Corinthians (aqui vai um "salve" aos dois!), dotado do providencial cabo de aço. "Se chegou até aqui, este carro é mesmo valente", assegurou Boi, contando ter atolado uma caminhonete "traçada" (4x4) no mesmo ponto havia dois dias. Em seguida, ele convidou: "Quando tiver outro carro destes, ou mais preparado, pode voltar". Convite que será aceito -- assim que possível.